CCBEU | 28 de dez Durante uma visita ao Camboja, a primeira-dama Michelle Obama exortou as estudantes a terminar a sua educação e se tornar modelos positivos em suas comunidades.

Michelle Obama encoraja meninas a liderarem

Durante uma visita ao Camboja, a primeira-dama Michelle Obama exortou as estudantes a terminar a sua educação e se tornar modelos positivos em suas comunidades.

Ela as aconselhou a ignorar qualquer oposição filosófica à educação de meninas que vierem encontrar.

“Aconteceu comigo quando eu tinha a sua idade”, afirmou. “Havia pessoas que me disseram que eu não era inteligente o suficiente para entrar no ensino superior ou para ser admitida na faculdade de Direito, mas eu as ignorei.”

Embora o objetivo da sua visita tenha sido oferecer ajuda na forma de uma nova iniciativa dos EUA, a primeira-dama disse às estudantes: “Vai depender de vocês todas ajudar a reforçar o argumento de que investir em vocês é a melhor coisa que suas famílias podem fazer a vocês e a suas comunidades.”

A iniciativa Permitam que as Meninas Aprendam buscará reduzir as barreiras econômicas e culturais — como a violência de gênero ou morar longe da escola — para milhões de meninas. É um programa do Corpo da Paz dos EUA (site em inglês) que se concentrará em meninas no Camboja e em outros dez países (Albânia, Benin, Burkina Fasso, Gana, Geórgia, Moçambique, Moldova, Mongólia, Togo e Uganda).

Em uma escola do ensino médio nos arredores de Siem Reap, no Camboja, Michelle Obama se reuniu com diversas alunas matriculadas em um programa de bolsa de estudos que cobre os custos de alimentaçãp e educação para meninas que moram em regiões remotas. O programa é o tipo de iniciativa que o Corpo da Paz tem a probabilidade de incentivar. Muitas vezes, meninas que moram longe da escola desistem devido aos custos do transporte ou aos deslocamentos perigosos.

Empoderamento local

Em regiões como Siem Reap, a maioria das famílias é chefiada por agricultores que lutam para pagar as despesas de educação das suas filhas. Existe uma pressão econômica sobre as estudantes para que desistam, muitas vezes antes do ensino médio, e encontrem trabalho sazonal para ganhar uma renda extra. Na verdade, em todo o Camboja, a matrícula escolar entre meninas sofre uma queda de 61% depois do ensino fundamental.

Mas a primeira-dama espera que a atenção dos EUA para os desafios enfrentados pelas meninas incentivará pessoas como Duth Kimsru, ex-participante da Iniciativa Jovens Líderes do Sudeste da Ásia (página do Facebook em inglês) que está trabalhando para ajudar as estudantes a permanecer na escola.

Duth Kimsru e seus pares administram um programa de bolsas de estudo que alivia as famílias dos custos relacionados à educação. Através da PEPY Empowering Youth (Pepy Empoderando as Jovens), organização sem fins lucrativos, Duth Kimsru ajuda adolescentes em situação de risco a progredir do ensino médio para o ensino superior. Os benefícios da bolsa de estudos incluem uma bicicleta, acesso a um computador, um subsídio de subsistência e assistência médica. Em troca, as estudantes concordam em iniciar um projeto em suas comunidades.

Como permitir que as meninas aprendam

Ao longo dos próximos seis anos, sete mil voluntários do Corpo da Paz apoiarão centenas de projetos comunitários para investir em meninas, mantendo-as na escola. A fim de atingir esse objetivo, o Corpo da Paz está focado em três tarefas principais:

1-Capacitar voluntários do Corpo da Paz e líderes locais sobre questões de consciência de gênero.

2-Facilitar campos de tecnologia e abrir bibliotecas que serão acessíveis às meninas.

3-Expandir o número de voluntários do Corpo da Paz que trabalham para avançar a educação das meninas.

“A razão pela qual os líderes ao redor do mundo vão se unir para apoiar a educação de meninas é porque nós precisamos de vocês para serem as líderes de amanhã”, afirmou Michelle Obama às estudantes cambojanas com quem se reuniu recentemente.