DICAS | 18 de jan Há alguns dias separamos algumas dicas para se fazer um intercâmbio econômico e hoje vamos indicar alguns lugares mais acessíveis para que você treine seu idioma, além dos EUA.

INGLÊS ALÉM DOS EUA – Opções de intercâmbio mais em conta

Há alguns dias separamos algumas dicas para se fazer um intercâmbio econômico e hoje vamos indicar alguns lugares mais acessíveis para que você treine seu idioma, além dos EUA.

Com a alta do dólar países como Canadá, Austrália e outras nações cuja língua oficial é o inglês tem se tornado mais atrativos tendo em vista os menores custos dos cursos de intercâmbio.

Além disso, nestes locais é possível encontrar trabalhos com uma menor carga horária que permitem ao turista ganhar um dinheiro extra sem que as atividades atrapalhem os estudos. A remuneração é próxima ao salário mínimo na moeda local de cada pais. Os empregos são voltados para os setores de hotelaria e restaurantes, mas é possível encontrar na área administrativa também. Veja a lista com países alternativos para você aprimorar o inglês, além dos EUA:

 

Austrália

Na ex-colônia inglesa é possível fazer um curso na escola Cass Training, em Sidney, por um período mínimo de 14 semanas. Outras vantagens é a qualidade de vida e as belas praias que o intercambista poderá conhecer.

Nova Zelândia

Em Auckland, é possível fazer um curso de duas semanas por R$ 1.642 na Embassy English Acukland. O país se destaca pela riquíssima diversidade natural, esportes radicais e cultura maori.

Irlanda

Com R$ 1.587,57 o turista consegue fazer o curso de inglês quinzenal da escola ISI Ireland. Apesar do clima mais introspectivo, a capital irlandesa também oferece cultura e diversão em seus famosos pubs.

Canadá

Na EC English Toronto, em Toronto, o imigrante pode cursar inglês por duas semanas a partir de R$ 1.497,70. Apesar do inverno rigoroso do país, o imigrante poderá contar com a receptividade do caloroso povo canadense.

É importante ressaltar que esses valores são referentes apenas às escolas. O turista ainda deverá ter uma reserva financeira que supra os custos com estadia e alimentação. Outra estratégia é olhar outros cursos em algumas cidades do interior dos países, já que o importante mesmo é aperfeiçoar o idioma.